Endereço Rio Tavares

Rod Doutor Antônio Luiz Moura Gonzaga, 2146

Rio Tavares - Florianópolis, SC - CEP: 88048-300

(48) 3231- 4500 

Endereço Biguaçu

Rod BR-101, km-186

Tijuquinhas - Biguaçu, SC - CEP: 88160-000

(48) 3285-0092

  • Facebook - Círculo Branco

Pedrita doa mudas de árvores para a nova praça do 63º Batalhão


Nesta quarta-feira, 5, Dia Mundial do Meio Ambiente, dezenas de mudas de árvores desembarcaram no pátio do 63º Batalhão de Infantaria (BI) do Exército, localizado no Bairro Estreito, na Capital. Eram doações da Pedrita, que participará da realização de um velho sonho do batalhão: a revitalização da praça que ao longo dos últimos 100 anos, desde a instalação do 63º BI no Estreito, testemunhou a história e a carreira de milhares de catarinenses.

A nova área, batizada de “Praça dos 100 Anos”, será inaugurada no dia 23 de outubro, e a Pedrita estará presente em cada planta do projeto de paisagismo. Foram doadas espécies de cica recoluta, coqueiro jerivá, patas-de-vaca com 2,5 metros de altura e strelítzia, todas oriundas do horto florestal cultivado na sede da empresa, no Bairro Rio Tavares, Sul da Ilha.

“Nossa parceria com a Pedrita é antiga. Esta empresa está sempre presente em nossos projetos. Não vislumbramos nenhum novo projeto comunitário sem ver a Pedrita junto”, conta o tenente-coronel Volney Vieira de Mello Filho, subcomandante do batalhão.

“A Pedrita é uma velha parceria do 63º BI e isso nos deixa muito orgulhosos, tanto que no ano passado fomos reconhecidos com o diploma de “Grande Amigo do Batalhão”", lembrou a gestora da empresa, Regiane Baumgartner. A honraria foi entregue em solenidade de aniversário de 225 anos da unidade, que já circulou pelo pais inteiro, inclusive foi a duas guerras, mas há um século está instalada na região continental da Capital.

Entre outras melhorias no batalhão, a Pedrita já doou materiais destinados para a construção do lago e das vias internas. “É uma satisfação podermos colaborar com projetos que trazem benefícios para a comunidade em geral e neste caso específico para o Batalhão de Infantaria”, salientou a gestora da Pedrita.


As espécies doadas

Cica revoluta - vedete dos jardins contemporâneos e tropicais, a cica se parece com uma pequena palmeira. Suas folhas são longas, rígidas e brilhantes. É uma planta de origem pré-histórica, com crescimento bastante lento, o que a torna muito valorizada no mercado. Quanto mais velho o exemplar, maior valor alcança. No paisagismo, vai bem como planta isolada e em conjuntos no jardim ou em vasos. Chega a uma altura de três a cinco metros.


Coqueiro jerivá - no paisagismo, os jerivás podem ser utilizados isolados, em grupos ou renques. Seu ar imponente e majestoso ajuda a criar projetos de jardins sofisticados a um custo não tão elevado, se comparado a outras palmeiras. Da mesma forma, seu jeitão tropical é perfeito para jardins descontraídos à beira-mar ou em sítios. Seu estipe é elegante e único, alcançando de oito a 15 metros de altura e podendo chegar a 60 cm de diâmetro. As folhas são longas, com dois a quatro metros de comprimento. Cada fruto contém uma única semente, como um minúsculo coco, de sabor amendoado. Tanto os frutos, como as sementes dos jerivás são comestíveis. Também produz palmito.


Pata-de-vaca - por seu porte pequeno, rápido crescimento e beleza, a pata-de-vaca é uma muito requisitada para o paisagismo urbano. Por não apresentar raízes agressivas, ela é ideal para calçadas, canteiros centrais e quintais pequenos, comuns às grandes cidades. Também é extensamente utilizada em parques e praças, além de áreas condominiais. Suas flores delicadamente perfumadas encantam e atraem a atenção. Por esse motivo, não raro é utilizada como ponto focal no paisagismo. As folhas são redondas, e, devido ao seu típico aspecto de pisada de casco bovino, são responsáveis pelo nome curioso desta árvore.


Estrelítzia - é uma planta herbácea muito popular e tradicional. Planta rústica, é adequada para o plantio isolado ou em grupos. Exige pouca manutenção, apenas semestrais para estimular a floração. É indicada para jardins tropicais e para o litoral por tolerar os ventos e a salinidade do solo. Seu nome científico é uma homenagem à rainha Sofia Carlota de Mecklenburg-Strelitz, esposa do rei Jorge III, do Reino Unido. Devem ser cultivadas a pleno sol ou meia sombra, em solo fértil, bem drenado, e enriquecido com matéria orgânica, regados regularmente.


22 visualizações